Observatório Jurídico

Operação Formiga
Ana Lúcia Torres dos Santos*

 

Em tempos de desfile de horrores no noticiário, de descrença geral, de desânimo e falta de delicadeza e respeito, o que há de errado e o que podemos fazer a respeito?

Tenho presenciado, como profissional, cenas tristes como pessoas que choram porque perderam o emprego e estão desesperadas por não terem direito ao seguro desemprego, porque as regras mudaram e, em consequência, não têm como se manter nem aos seus dependentes. Outras choram porque não conseguem remédios e passe livre para realizar seus tratamentos com dignidade, para minimizar as suas dores, outros porque não tem acesso à educação digna, lutando alguns, bravamente, para manter o ensino de pé, em condições mínimas, sem desistir.

Por outro lado, vejo muitas pessoas de olhos pregados em telinhas que, absorvendo toda a sua atenção, não as deixam ver o que se passa ao seu redor. Há pessoas que sequer se cumprimentam, passam umas pelas outras como postes. Não se oferece ajuda, sobra rispidez.

Bate papo com o autor: Novo Código Florestal

O curso de Direito do UNIFESO promove no dia 11 de abril palestra com o Prof. Dr. Pedro Curvello Saavedra Avzaradel, com o tema “Novo Código Florestal: enchentes e crise hídrica no Brasil - A ocupação de Áreas de Preservação Permanente (APPs) e os riscos relacionados à ocorrência de chuvas”, a partir das 19h, na Sala do Tribunal do Júri, no sexto andar do prédio Flavio Bortoluzzi de Souza, no Campus Antonio Paulo Capanema de Souza (Alto). Inscrições na coordenação do curso de Direito.

A formação do pedagogo no UNIFESO - Gicele Faissal de Carvalho

Tem dias que a gente se sente / Como quem partiu ou morreu / A gente estancou de repente / Ou foi o mundo então que cresceu (Chico Buarque)

 

O mundo então cresceu, mudou.

A sociedade mudou.

E a escola... é muda.

Cadê o tablado que estava aqui?

O tempo tirou.

Farão tudo o que o mestre mandar?

Não! Vamos dialogar!

E assim começa a transformação tão esperada da/na educação.

De acarajés no cerro ao silêncio dos cidadãos - Ana Maria Gomes de Almeida

Instigados por saber como os cidadãos de Teresópolis lidam com a prática da corrupção, professores e estudantes dos cursos de Administração, Ciências Contábeis e Direito do UNIFESO fizeram uma rápida enquete aos frequentadores da última FEPRO.

Dentre os 1178 respondentes, 95% responderam que se sentem atingidos pela corrupção e 80% se declararam dispostos a denunciar casos de corrupção.

Significativo e alentador resultado. Você não acha, leitor?

Pois é... mas fiquei instigada em saber os motivos alegados pelos 20% que afirmaram que não denunciariam.

UNIFESO e OAB promovem curso sobre o novo CPC

O Centro Universitário Serra dos Órgãos (UNIFESO), em parceria com a Subseção Teresópolis da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), promoveu o curso “Visão Panorâmica do novo Código de Processo Civil (CPC)” entre os dias 11 e 18 de março. Os temas foram: Abordagem Introdutória, Princípios Gerais, Rito Único, Novos Procedimentos, Incidente de resolução de demandas repetitivas, Incidentes de assunção de competência e Recursos. O curso foi ministrado pelo professor Rubens Soares Sá Viana Junior.
 
“Como muitos deixam para examinar essas matérias depois da entrada em vigência, o curso tem essa finalidade de quebrar o impacto do novo CPC. Também ajuda a reunir a comunidade jurídica — advogados, estudantes, juízes e professores — para debater a lei, verificar os avanços, problemas e ajudar a população”, destaca o professor Rubens Soares Sá Viana Junior.

As técnicas agrícolas e os impactos ambientais - Rogério Luiz A. Franco

Nos dias atuais, todos pensam em ter uma alimentação saudável. Frutas, legumes e verduras  devem fazer parte da alimentação das famílias. Mas você já parou para pensar em quantos tipos de técnicas agrícolas nós temos e no impacto que elas causam ao meio ambiente? Que tal conhecermos o funcionamento de cada uma delas?

AGRICULTURA CONVENCIONAL – é um modo de agricultura em que prevalece a busca da maior produtividade, através da utilização intensa de insumos externos, o que a curto prazo traz resultados econômicos visíveis como aumento da produtividade e eficiência agrícola. Embora o aumento da produtividade diminua a migração rural e melhore a distribuição de renda, ela provoca sérios danos à natureza a longo prazo. Esses danos são causados pelo utilização, de forma intensa, de recursos não renováveis, monocultivos contínuos e utilização de produtos agroquímicos que não são facilmente eliminados.

Edital para Representante Docente e Discente

Edital de Convocação de Representante Discente e Docente do Conselho do Centro de Ciências Humanas e Sociais.

Clique aqui e veja os editais completos!

Discente (PDF) - Docente (PDF)

Libertas Quæ Sera Tamen - Roberta Montello Amaral

Neste mês meu artigo recorre à expressão impressa na bandeira do Estado de Minas Gerais para fazermos uma reflexão sobre o momento econômico que vivemos

Acabei de terminar a apuração da inflação de fevereiro em Teresópolis e, conforme os dados levantados pelos estudantes dos cursos de Administração e Ciências Contábeis do UNIFESO, a inflação medida pelo IPC-FESO em fevereiro apresentou um acréscimo de 0,56% que, apesar de ser uma elevação, ainda está bem abaixo do verificado em dezembro (6,4%). Este valor foi impactado diretamente pelo acréscimo de alguns produtos agrícolas que, historicamente, respondem por elevações nesta época do ano, como por exemplo o alho. Nos últimos 12 meses a variação do IPC-FESO alcançou 17,34%, valor bastante parecido com o verificado no mês anterior e ainda bem acima do teto oficial de 6,5% estabelecido para a inflação.

A análise do valor da cesta básica também não foi diferente: apesar de uma leve desaceleração o IPC/CB-FESO totalizou R$ 403,45, valor 1,5% inferior ao verificado em janeiro e 0,8% mais elevado que dezembro; nos últimos 12 meses a variação do valor da cesta básica em Teresópolis foi de 21,1%.

Páginas