Acende a fogueira, S. João - Roberta Montello Amaral

“O balão tá subindo, tá caindo a garoa, o céu é tão lindo e a noite é tão boa...”♫
 
Hoje eu estou animada!  No próximo final de semana é a festa junina da escola das crianças e já estou entrando no clima!  E, como sempre, fico pensando em como me programar para esta festividade.  Como tenho sempre advogado aqui nesta coluna, precisamos nos programar para tudo!  É claro que nem sempre a realidade sai como o esperado, mas, na grande maioria das vezes, fazer uma prévia nos traz muitas vantagens!
 
Para isso, neste mês, resolvi olhar a inflação dos produtos oferecidos nas festas juninas e julianas (e, em alguns lugares, nas agostinhas também!).  Como já sabemos de outrora, a inflação é o aumento contínuo e generalizado no nível geral de preços.  Sendo assim, geralmente falamos de variações de preço de todos os produtos em geral.  Mas, neste mês, com o auxílio da base de dados coletada pelos alunos dos cursos de Administração e Ciências Contábeis do UNIFESO, vamos falar de dois produtos muito consumidos nestes festejos: milho e salsicha!

Estes produtos fazem parte da coleta de preços do IPC-FESO, o Índice de Preços ao Consumidor de Teresópolis, apurado pelo UNIFESO desde o ano de 2006.  Por causa desta base de dados acompanhada há mais de uma década, é possível começar nossa investigação e visualizar o gráfico com a variação mensal do preço do milho desde o início do acompanhamento:

 
A figura mostra que este produto tem sofrido muitas oscilações desde o ano de 2006 e que, no ano de 2015, chegou a ficar fora de controle (quando os valores ultrapassam as linhas tracejadas, calculadas conforme uma técnica estatística bem simples e que permite identificar se um conjunto de dados está com um comportamento fora de seu padrão histórico).  Mas (e é este mas que importa nesse mês), nos últimos 12 meses o milho teve uma queda de pouco mais de 10% no seu preço.
 
Agora vejamos o comportamento da salsicha:

 
Com a salsicha aconteceu um comportamento parecido: um certo descontrole em 2015 que se estendeu até 2016.  Mas, nos últimos 12 meses, seu preço, em média, caiu.  Não tanto quanto o milho, pois teve redução de pouco mais de 1%, mas ainda assim houve uma queda.
 
Sendo assim, no próximo sábado, espero encontrar o milho e o salsichão mais baratos do que no ano passado, enquanto S. João mantiver acesa a fogueira do meu coração!
 
———
* Roberta Montello Amaral é economista, doutora em engenharia de produção e professora dos cursos de Administração e Ciências Contábeis do UNIFESO. E-mail: ramaral@unifeso.edu.br.